quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Competitividade


Em matéria de competitividade, Portugal está visivelmente longe da generalidade dos Estados-membros da União Europeia. E o Governo, neste particular, tem tido algumas dificuldades, designadamente no que diz respeito ao investimento. Uma politica séria de incentivos ao investimento permite debelar problemas sociais como o desemprego. De qualquer modo, o Governo tem tido uma postura incipiente, e quando dá ares da sua graça, das duas uma: ou apresenta de forma empolada os poucos projectos de investimento, ou por outro lado, incorre no facilitismo a que nos tem habituado, apontando o dedo à pouca flexibilidade da legislação laboral como sendo, amiúde, a única responsável pela falta de competitividade da economia – uma espécie de obstáculo à competitividade do país.

Ora, é precisamente essa a questão que tem dominado os meios de comunicação social – a alegada falta de flexibilidade da legislação laboral. O Governo não tem feito mais do que optar pelo caminho mais fácil. Ao invés de encarar o problema de frente e tentar apresentar soluções em relação aos diferentes constrangimentos em matéria de competitividade, desfere ataques numa só direcção – aquela que visa os trabalhadores, a do costume. Também aqui não há novidade.

Sendo certo que a consolidação orçamental é condição sine qua non para um aumento da competitividade, e o Governo, nesta questão conseguiu reduzir o défice (mais à custa da receita do que da despesa), existem, porém, outras condicionantes no que diz respeito à competitividade. Na verdade, a elevada carga fiscal praticada no nosso país, a falta de qualidade dos recursos humanos, uma administração pública ineficiente, a justiça morosa e intrincada, são claros obstáculos a qualquer país que queira ser competitivo.

Do mesmo modo, e relativamente aos baixos índices de produtividade, é injusto apontar o dedo apenas aos trabalhadores, senão vejamos: a má qualidade dos recursos humanos não explica, por si só, os baixos níveis de produtividade; a formação deficiente não será apenas dos trabalhadores, no sentido inverso também se verifica, e o que dizer de técnicas de gestão inadequadas e obsoletas que ainda são aplicadas em muitas empresas? E estes são apenas alguns exemplos. Por conseguinte, a baixa produtividade que compromete a competitividade, não será resolvida com uma suposta flexibilização da legislação laboral. Existem problemas mais prementes cuja resolução é constantemente adiada. Não se estará na altura de enfrentar de modo inexorável os problemas de competitividade do país? Não será essa uma das chaves do sucesso de outros países?

Sem comentários: