Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

O que salta à vista é um país fragilizado

Independentemente da legitimidade dos grevistas, que não coloco em causa, a verdade é que com a greve dos motoristas de matérias perigosas salta à vista um país vulnerável. E apesar dos mecanismos ao dispor do Governo em caso de emergência, a verdade é que Portugal, num ápice, fica refém de um grupo profissional. Repito: esta conclusão não invalida a legitimidade de quem faz greve. Em escassos dias, passou-se a olhar para o fundo dos depósitos. Fica-se com a ideia de que também neste particular vivemos sempre no limite, sem estratégia, apenas no limite. Não deixa de causar alguma inquietação perceber que numa tarde instala-se o pânico e acaba-se o combustível. Em suma, esta greve, independentemente da sua legitimidade, coloca em evidência um país cuja única estratégia parece ser a de viver no limite. É necessária uma reflexão, sobretudo num país que preferiu o automóvel a tudo o resto.
Mensagens recentes

O melhor e o pior do ser humano numa só noite

O terrível incêndio na catedral de Notre Dame não só mostrou um país e todo o mundo em sofrimento, como nos lembrou o engenho do Homem que há mais de 800 anos erigiu Notre Dame.
Na mesma noite, já por si carregada de sofrimento e de angústia, Donald Trump brinda-nos com um tweet sugerindo a utilização de helicópteros para combater o incêndio.
Não poderia existir maior contraste, patente numa só noite: o génio da Humanidade, aliado à sua resiliência, por um lado; a pequenez, a idiotia e uma soberba sem limites, por outro.

O populismo de Marcelo

Caracterizado por ser um populista "leve" ou "benigno", sem nunca evidentemente deixar de ser populista, Marcelo Rebelo de Sousa lá vai fazendo o seu caminho até à reeleição,  como quem não quer a coisa, entre selfies em funerais, verdades, mentiras e desmentidos e um puritanismo a toda prova. Marcelo lá vai cuidando do povo. Marcelo lá vai dominando o povo. Todavia, as últimas semanas não foram as mais felizes, sobretudo depois de director da Polícia Judiciária Militar e chefe de gabinete do ministro da Defesa dizerem uma coisa, enquanto Marcelo diz o seu contrário e depois ainda de mais uma manifestação de populismo bacoco, elaborando uma lei que impede a nomeação de familiares em Belém até quase à reencarnação - até ao sexto grau, melhor dizendo -  tudo para provar o seu carácter impoluto e as suas melhores intenções. Tudo para mostrar que ele estará sempre um passo à frente no que diz respeito à ética. Assim, como mostra estar um passo à frente no ridículo. É qu…

Amazónia: o anúncio de um crime

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, anunciou que entregará a Amazónia para exploração de empresas norte-americanas. Esta ideia contém em si mesma um mundo de perigos; este anúncio vem na sequência de promessas eleitorais, ou seja, quem votou em Bolsonaro votou nisto. E o que é isto? Será um verdadeiro atentado contra o planeta ou alguém acredita que bons samaritanos preparam-se para explorar, perdão preservar, a floresta  amazónica? Ou alguém está convencido de que os americanos estão interessados numa qualquer outra coisa que não o lucro, rápido e em abundância? De resto é essa a essência do capitalismo, ou será que no entendimento de Bolsonaro o capitalismo é também outra coisa? Como o nazismo é.
Mas o Presidente brasileiro vai mais longe, para além de dar aos americanos a exploração, o que levanta outras questões que se prendem com os próprios recursos brasileiros e a ingerência externa para deitar a mão a esses recursos, promete rever as demarcações indígenas. Es…

Sobre o vazio de ideias

Poder-se-iam escrever tratados sobre o vazio político que impera entre os partidos portugueses, sendo que esse vazio não é seu exclusivo, verificando-se inclusivamente situações ainda mais gravosas. No entanto, por cá o vazio é apanágio de partidos que abdicaram de ter qualquer espécie de discussão ideológica ou até, sob o ponto de vista mais prático, de discussões sobre um rumo para o país. Da esquerda à direita o cenário revela-se desolador e o Presidente da república mostra-se mais empenhado nos afectos do que nas ideias.
Contudo, esse vazio é ainda mais significativo entre a direita. PSD e CDS, ambos com fracas lideranças, agarram-se ao que podem, como se verifica agora com o caso do nepotismo que reina no PS. Ambos os líderes agem como se esse nepotismo fosse exclusivo do PS, quando todos sabemos que não é. Paralelamente, o assunto é esticado até ao limite e à náusea o que enfraquece o seu efeito,
O perigo que existe neste vazio, sobretudo da direita, prende-se com a …

Problemas de memória

O país mediático está refém dos graus de parentesco. Cavaco Silva está refém de problemas de memória, vamos partir do pressuposto de que se trata de um problema clínico e não a simples mentira. Ora, a comunicação social só agora percebeu que existem relações familiares no seio dos Governos, sendo certo que, na ausência de ideias concretas, resta aproveitar as relações familiares deste Governo, até à última gota, até ao último grau de parentesco. É perante este cenário que Cavaco Silva deixa o convento para não só criticar um Governo que ele teve de dar posse, mas que abomina, como veio a público afirmar que nos seus três governos não existiram essas mesmas relações. As capas do defunto jornal "Independente" vieram lembrar a todos as nomeações de não uma, nem sequer duas, mas quinze mulheres de ilustres ministros de Cavaco, como Marques Mendes, Durão Barroso ou o ainda mais ilustre Dias Loureiro. Por um lado concluímos que o país político é manifestamente pobre, com uma comunic…

Direita e comunicação social: um desespero partilhado

Se falamos de desespero e vazio de ideias nos partidos de direita, o que dizer da comunicação social, boa parte dela com a agenda da direita? A procura desenfreada por relações familiares e políticas entre os membros do PS é paradigmático desse desespero e desse vazio partilhados, ao ponto de se publicarem mentiras, sem o menor pudor.
O Jornal I chegou a afirmar/informar, na capa, que Fernando Medina havia nomeado a sua mulher como adjunta quando era secretário de Estado, o que nem sequer é verdade - uma mentira facilmente desmontável pela documentação existente. Mais preocupante do que as famigeradas fake news, são as notícias veiculadas por jornalistas. Um exercício que enfraquece a própria comunicação social que não se distingue das redes sociais e afins. É este o desespero da comunicação social com uma agenda política de direita.
De resto, o mesmo jornal dá conta que o filho de António Costa decidiu participar na campanha eleitoral para as Europeias, em regime de volun…