Avançar para o conteúdo principal

Zangam-se as comadres

Não se conhecem propriamente as verdades, até porque essas já são sobejamente conhecidas. Trata-se afinal de mais uma Cimeira dos G7 com a participação de Donald Trump. Os desentendimentos são mais que muitos e zangam-se as comadres. A comadre Trump encontra-se, também para variar, numa posição isolada.
O maior desentendimento teve lugar entre Justin Trudeau, primeiro-ministro canadiano, e Donald Trump, inacreditavelmente Presidente americano. Tudo a propósito do proteccionismo americano.
Em bom rigor, esse proteccionismo não só havia sido esperado, depois de de uma crise financeira de dimensões incomensuráveis, como havia também sido prometido por Donald Trump. Em suma as comadres zangaram-se por causa de dinheiro, imbuídas naquele espírito de superioridade em relação aos outros e incapazes de lidar com uma comadre egocêntrica e a manifestar alguns sinais de senilidade, agem de forma desorientada e não fazem a mais pequena ideia do que fazer. Resta, por conseguinte, zangarem-se e acusarem-se mutuamente nas redes sociais enquanto tiram fotografias em conjunto incapazes de esconderem as birras.
E o que está em causa? O aumento das tarifas, devido a questões de segurança nacional (?) evocadas por Donald Trump. O aumento das tarifas no sector automóvel e já antes os aumentos prometidos para o sector do alumínio e do aço que recaem sobre Canadá, México e UE não caem bem entre as comadres. Entretanto e para piorar tudo, a comadre Trump pediu a reintegração de uma comadre russa expulsa.
Sucintamente, zangam-se as comadres perante um mundo que não as compreende e que se afasta delas e que começa ansiar pelo início do campeonato do mundo de futebol.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Amazónia: o anúncio de um crime

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, anunciou que entregará a Amazónia para exploração de empresas norte-americanas. Esta ideia contém em si mesma um mundo de perigos; este anúncio vem na sequência de promessas eleitorais, ou seja, quem votou em Bolsonaro votou nisto. E o que é isto? Será um verdadeiro atentado contra o planeta ou alguém acredita que bons samaritanos preparam-se para explorar, perdão preservar, a floresta  amazónica? Ou alguém está convencido de que os americanos estão interessados numa qualquer outra coisa que não o lucro, rápido e em abundância? De resto é essa a essência do capitalismo, ou será que no entendimento de Bolsonaro o capitalismo é também outra coisa? Como o nazismo é.
Mas o Presidente brasileiro vai mais longe, para além de dar aos americanos a exploração, o que levanta outras questões que se prendem com os próprios recursos brasileiros e a ingerência externa para deitar a mão a esses recursos, promete rever as demarcações indígenas. Es…

Fascismo

A palavra, o conceito, a ideia, são considerados por muitos coisa de um passado que já não regressa. Tudo terá morrido na primeira metade do século passado. E apesar de alguns governos, sobretudo na Europa, adoptarem o fascismo como base de governação, a UE continua existindo como se nada fosse, como se nada fosse consigo. Viktor Órban, primeiro-ministro da Hungria, e o seu partido Fidesz, aprovaram uma medida que visa criminalizar quem preste auxílio a imigrantes sem documentos e assim acabar com o trabalho das ONG. Se isto não é fascismo não sei o que será. Recorde-se que este é apenas um dos muitos atropelos do Governo de Órban aos Direitos Humanos e que a família europeia a que Órban pertence remete-se, uma vez mais, ao silêncio. Essa família é o Partido Popular Europeu. Em Itália, o ministro do Interior, o execrável Matteo Salvini, quer recensear os ciganos para expulsar os estrangeiros, mais uma lista, adiantando ainda que "quanto aos ciganos italianos, talvez t…

O maior desafio da Europa

Há uns escassos quatro anos atrás dir-se-ia que o maior desafio da União Europeia seria a crise económica. Hoje dir-se-á que o maior desafio da Europa é a questão das migrações.
É evidente que o problema económico não desapareceu, encontrando-se apenas adormecido, à espera que uma nova crise financeira o acorde. Quanto à problemática das migrações, a UE está apenas a pagar a factura de ter contribuído para a instabilidade de Estados como a Síria e a Líbia, assim como paga também a factura de ter apostado durante décadas numa política de integração acéfala e desregulada, tratando os imigrantes com um misto de paternalismo e permissividade, criando amiúde desigualdades na forma de tratamento entre cidadãos. O resultado, como não podia deixar de ser, está à vista: endurecimento das políticas migratórias, a criação e leis cujo o alvo é especifica e unicamente os imigrantes e toda uma deriva xenófoba.
Nem a propósito, o New York Times (NYT) ofereceu aos seus leitores uma report…