segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Angola: sinais promissores?

O afastamento dos filhos do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos das principais empresas do Estado, sobretudo da filha Isabel dos Santos da Sonagol, são, aparentemente, sinais promissores. Sinais de que João Lourenço, apontado como sucessor de Eduardo dos Santos no MPLA e dos destinos do país, quer mudar Angola. Se esses sinais podem significar uma verdadeira mudança já é, naturalmente, e para já, uma incógnita. O que é certo é que até ao momento João Lourenço fez mais de 60 exonerações, apelidado já de "exonerador implacável".
Depois de 38 anos de poder e de uma guerra civil, José Eduardo dos Santos afastou-se da presidência, deixando os filhos em locais estratégicos dos negócios angolanos. Até às últimas semanas imperou a ideia de que João Lourenço mais não era do que a continuidade de Eduardo dos Santos e nem se sonharia com os afastamentos agora verificados. Porém, o novo Presidente angolano parece disposto a encetar verdadeiras mudanças, começando exactamente pela prole de Eduardo dos Santos. De resto, esses afastamentos emitem não só sinais políticos, mas também económicos, com uma tentativa de estabilizar a difícil economia angolana. E a julgar pela reacção de Isabel dos Santos, o seu afastamento não terá sido minimamente esperado, o que afasta teorias que apontam para um jogo combinado entre o actual Presidente e o ex.
Por outro lado, existe a questão militar, designadamente as cúpulas afectas ao ex-Presidente. Esta é uma questão central se a ideia de João Lourenço será mesmo a de mudança, o que fazer com essas cúpulas? A transição será suave? Natural? A ver vamos.
Seja como for, os sinais emitidos pelo Presidente João Lourenço nos últimos dias são claramente positivos, agora se os mesmos se ficarão apenas por algumas mudanças na prole de Eduardo dos Santos ou irão mais longe é outra questão. Ainda assim e a julgar pela rapidez com que João Lourenço encetou estas profundas mudanças, mais poderão estar na calha. E já vai sendo tempo.


Sem comentários: