Avançar para o conteúdo principal

O dia haveria de chegar

Envolto num manto de indisfarçável desespero, Passos Coelho haveria, mais dia menos dias, de se socorrer da comparação mais abjecta e despropositada: comparar António Costa a Donald Trump. E a propósito de quê haveria o ex-primeiro-ministro comparar António Costa a Donald Trump? A propósito da Altice, mais concretamente das críticas proferidas pelo actual primeiro-ministro à empresa que num ápice descartou responsabilidades sobre Pedrogão, arranja artimanhas para despedir trabalhadores e comprou um canal de televisão.
Segundo Passos Coelho as críticas de António Costa, no Parlamento, à empresa detentora da PT constituem razão suficiente para comparar o primeiro-ministro ao Presidente americano: aquela criatura grosseira e inane. Trump dirigiu criticas a uma empresa e por essa razão apresenta similitudes com António Costa. É este o raciocínio de Passos Coelho.
O desespero, sobretudo quando continuado, redunda amiúde no ridículo e é precisamente aí que podemos encontrar Pedro Passos Coelho. Espalhou-se com pretensos suicídios, passou por um plágio descarado e agora caiu no ridículo de fazer a comparação mais disparatada, e ainda assim não totalmente inesperada. Tudo no espaço de escassas semanas.

O antigo primeiro-ministro para além de não resistir à comparação mais bacoca, sentiu que as críticas de um primeiro-ministro a uma empresa como a PT, filha perfeita do capitalismo selvagem, eram absolutamente inadmissíveis. Afinal de contas há limites! Cortar em salários e pensões, arruinar o Estado Social, empobrecer o mais pobres e matar qualquer espécie de esperança no futuro teve de ser, era o melhor para o país e para as pessoas; agora criticar uma empresa que faz negócios manhosos e aposta tudo na precariedade e nos despedimentos, isso é que não! Que desfaçatez! Nunca se viu nada assim! Deus nos ajude!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Amazónia: o anúncio de um crime

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, anunciou que entregará a Amazónia para exploração de empresas norte-americanas. Esta ideia contém em si mesma um mundo de perigos; este anúncio vem na sequência de promessas eleitorais, ou seja, quem votou em Bolsonaro votou nisto. E o que é isto? Será um verdadeiro atentado contra o planeta ou alguém acredita que bons samaritanos preparam-se para explorar, perdão preservar, a floresta  amazónica? Ou alguém está convencido de que os americanos estão interessados numa qualquer outra coisa que não o lucro, rápido e em abundância? De resto é essa a essência do capitalismo, ou será que no entendimento de Bolsonaro o capitalismo é também outra coisa? Como o nazismo é.
Mas o Presidente brasileiro vai mais longe, para além de dar aos americanos a exploração, o que levanta outras questões que se prendem com os próprios recursos brasileiros e a ingerência externa para deitar a mão a esses recursos, promete rever as demarcações indígenas. Es…

Fascismo

A palavra, o conceito, a ideia, são considerados por muitos coisa de um passado que já não regressa. Tudo terá morrido na primeira metade do século passado. E apesar de alguns governos, sobretudo na Europa, adoptarem o fascismo como base de governação, a UE continua existindo como se nada fosse, como se nada fosse consigo. Viktor Órban, primeiro-ministro da Hungria, e o seu partido Fidesz, aprovaram uma medida que visa criminalizar quem preste auxílio a imigrantes sem documentos e assim acabar com o trabalho das ONG. Se isto não é fascismo não sei o que será. Recorde-se que este é apenas um dos muitos atropelos do Governo de Órban aos Direitos Humanos e que a família europeia a que Órban pertence remete-se, uma vez mais, ao silêncio. Essa família é o Partido Popular Europeu. Em Itália, o ministro do Interior, o execrável Matteo Salvini, quer recensear os ciganos para expulsar os estrangeiros, mais uma lista, adiantando ainda que "quanto aos ciganos italianos, talvez t…

O maior desafio da Europa

Há uns escassos quatro anos atrás dir-se-ia que o maior desafio da União Europeia seria a crise económica. Hoje dir-se-á que o maior desafio da Europa é a questão das migrações.
É evidente que o problema económico não desapareceu, encontrando-se apenas adormecido, à espera que uma nova crise financeira o acorde. Quanto à problemática das migrações, a UE está apenas a pagar a factura de ter contribuído para a instabilidade de Estados como a Síria e a Líbia, assim como paga também a factura de ter apostado durante décadas numa política de integração acéfala e desregulada, tratando os imigrantes com um misto de paternalismo e permissividade, criando amiúde desigualdades na forma de tratamento entre cidadãos. O resultado, como não podia deixar de ser, está à vista: endurecimento das políticas migratórias, a criação e leis cujo o alvo é especifica e unicamente os imigrantes e toda uma deriva xenófoba.
Nem a propósito, o New York Times (NYT) ofereceu aos seus leitores uma report…