quarta-feira, 19 de abril de 2017

Uma Europa cada vez mais isolada

Depois de passarem anos a acusar os países "intervencionados" de serem responsáveis todo o mal do mundo, os principais responsáveis europeus tardam em mudar a estratégia, preferindo apostar no erro, enquanto a Europa, mais concretamente a UE, vai ficado progressivamente mais isolada.
Primeiro foi a crise do sector financeiro rapidamente transformada em crise das dívidas soberanas; depois o Brexit; para complicar os EUA escolheram Trump para a presidência e agora a Turquia vira regime autoritário declarado, afastando-se também ela da Europa. 
Sem capacidade de se unir, com protagonistas medíocres como o inefável Presidente do Eurogrupo que apenas fomentam as divisões da forma mais abjecta, deixando a indelével impressão que almejam uma Europa minimalista composta por países do centro e norte da Europa, o projecto europeu passou para o domínio da fantasia.

Hoje temos uma Europa desunida, com personagens não sufragadas e medíocres, sem o Reino Unido, sem poder contar com o aliado americano e com a Turquia voltada de costas para a Europa. Esperar que desta equação saia um resultado promissor é no mínimo ingénuo. Um abalo, bastará um abalo, económico, financeiro ou uma guerra para tudo desabar com a maior das facilidades - assim é quando se procuram as cisões ao invés da união. Assim é quando a UE se encontra sozinha, em larga medida, por culpa própria, e sobretudo por passar anos a preocupar-se com o acessório, descurando o essencial.

Sem comentários: