Avançar para o conteúdo principal

PSD e o fim de uma liderança

É arriscado afirmar o fim de uma liderança política e, como todo o exercício de futurologia, este pode muito bem cair em saco roto. Mas os sinais de tibieza da ainda liderança do PSD são mais do que evidentes. E mais: os sinais de desespero de Passos Coelho e dos seus acólitos revelam-se a cada dia que passa.
Tudo começou com o inesperado entendimento das esquerdas e a incapacidade da direita congeminar alianças com o PS. Em rigor, Passos Coelho nunca recuperou verdadeiramente do facto de ter vencido as eleições, mas, por culpa própria, não ter sido capaz de formar maioria.
Depois esperou-se ansiosamente pela chegada do Diabo, tomasse ele a forma das instituições europeias, ou de um hipotético desaire da economia portuguesa ou ainda de um desentendimento entre as esquerdas. O Diabo não chegou e o Presidente da República agiu mais vezes como anjo da guarda do Governo do que eventualmente se esperaria - tudo em nome da estabilidade, claro está.
Mais recentemente, Passos Coelho viu nova oportunidade de provocar instabilidade no Governo, designadamente com a história bacoca das sms trocadas entre o ministro das Finanças e aquele que seria o Presidente da Caixa Geral de Depósitos. Com esta jogada, Passos Coelho e o seu séquito matariam dois coelhos com uma só cajadada: provocariam a tão desejada instabilidade no Governo e ainda utilizariam a tal história bacoca para escamotear os bons resultados da economia portuguesa, alvo de alguns elogios da comissão europeia e da comunicação social fora de portas.
Mas o tiro voltou a sair pela culatra. Para além de um Presidente zangado, pouco mais resultou desta história e nem a preciosa e recorrente ajuda da comunicação social permitiu tirar frutos de uma polémica que pouco ou nenhum interesse provocou na maioria dos portugueses. Em contrapartida, soube-se agora que durante o seu mandato, Passos Coelho viu 10 mil milhões de euros fugir de Portugal sem quaisquer satisfações - um assunto que, muito provavelmente, causará desagrado naqueles que, durante esse mesmo período, viram os seus rendimentos serem cortados, enquanto assistiam ao enfraquecimento do Estado Social e à fuga de muitos jovens para o estrangeiro, tudo em nome de uma culpa do país que havia, segundo o então primeiro-ministro, vivido acima das suas possibilidades. Tudo com a preciosa ajuda do secretário de Estado Paulo Núncio, via CDS.
Resta ao líder do maior partido da oposição esperar por um milagre nas autárquicas. Se esse milagre não chegar, resta-lhe a porta de saída.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Amazónia: o anúncio de um crime

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, anunciou que entregará a Amazónia para exploração de empresas norte-americanas. Esta ideia contém em si mesma um mundo de perigos; este anúncio vem na sequência de promessas eleitorais, ou seja, quem votou em Bolsonaro votou nisto. E o que é isto? Será um verdadeiro atentado contra o planeta ou alguém acredita que bons samaritanos preparam-se para explorar, perdão preservar, a floresta  amazónica? Ou alguém está convencido de que os americanos estão interessados numa qualquer outra coisa que não o lucro, rápido e em abundância? De resto é essa a essência do capitalismo, ou será que no entendimento de Bolsonaro o capitalismo é também outra coisa? Como o nazismo é.
Mas o Presidente brasileiro vai mais longe, para além de dar aos americanos a exploração, o que levanta outras questões que se prendem com os próprios recursos brasileiros e a ingerência externa para deitar a mão a esses recursos, promete rever as demarcações indígenas. Es…

Fascismo

A palavra, o conceito, a ideia, são considerados por muitos coisa de um passado que já não regressa. Tudo terá morrido na primeira metade do século passado. E apesar de alguns governos, sobretudo na Europa, adoptarem o fascismo como base de governação, a UE continua existindo como se nada fosse, como se nada fosse consigo. Viktor Órban, primeiro-ministro da Hungria, e o seu partido Fidesz, aprovaram uma medida que visa criminalizar quem preste auxílio a imigrantes sem documentos e assim acabar com o trabalho das ONG. Se isto não é fascismo não sei o que será. Recorde-se que este é apenas um dos muitos atropelos do Governo de Órban aos Direitos Humanos e que a família europeia a que Órban pertence remete-se, uma vez mais, ao silêncio. Essa família é o Partido Popular Europeu. Em Itália, o ministro do Interior, o execrável Matteo Salvini, quer recensear os ciganos para expulsar os estrangeiros, mais uma lista, adiantando ainda que "quanto aos ciganos italianos, talvez t…

O maior desafio da Europa

Há uns escassos quatro anos atrás dir-se-ia que o maior desafio da União Europeia seria a crise económica. Hoje dir-se-á que o maior desafio da Europa é a questão das migrações.
É evidente que o problema económico não desapareceu, encontrando-se apenas adormecido, à espera que uma nova crise financeira o acorde. Quanto à problemática das migrações, a UE está apenas a pagar a factura de ter contribuído para a instabilidade de Estados como a Síria e a Líbia, assim como paga também a factura de ter apostado durante décadas numa política de integração acéfala e desregulada, tratando os imigrantes com um misto de paternalismo e permissividade, criando amiúde desigualdades na forma de tratamento entre cidadãos. O resultado, como não podia deixar de ser, está à vista: endurecimento das políticas migratórias, a criação e leis cujo o alvo é especifica e unicamente os imigrantes e toda uma deriva xenófoba.
Nem a propósito, o New York Times (NYT) ofereceu aos seus leitores uma report…