segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Claustrofobia democrática

Em nada serve à democracia cair-se em exageros. PSD e CDS, arredados que andam do poder, caem amiúde neste erro de exagerar e colocar em causa o bom funcionamento do Parlamento e da democracia. É claro que o desespero leva-nos invariavelmente ao exagero. 
A questão das sms e a importância desmedida dada às mesmas continua na agenda dos partidos que outrora, e em má hora, governaram este país. Ora, a azia, perdão, claustrofobia democrática de que fala Luís Montenegro, líder da bancada parlamentar do PSD, pode muito estar relacionada com o facto de se utilizarem comissões de inquérito para fins para as quais as mesmas não foram criadas. Na verdade, PSD e CDS pretenderam dar outro fim à comissão de inquérito, cuja finalidade nada tinha a ver com a troca de correspondência ou sms entre o ministro das Finanças e ex-Presidente da Caixa Geral de Depósitos. Tudo culminou com a demissão do Presidente da mesma comissão de inquérito, também ele ilustre membro do PSD.
Agora, pretende-se utilizar a figura do próprio Presidente da Assembleia para passar a ideia de que o Parlamento está a passar pela referida claustrofobia. Um exagero ao qual Marcelo Rebelo de Sousa pretendeu colocar um ponto final encontrando-se com o Presidente da Assembleia da República e com a muito indignada Assunção Cristas, líder do CDS.

Na ausência de ideias, perante o sucesso da actua Governação, afundados na já habitual mediocridade e agora com offshores a persegui-los, pouco mais resta aos partidos da direita para além de uma birra ou outra, o que por si, não é trágico. De evitar, no entanto, colocar em causa o bom funcionamento do Parlamento e da democracia quando não é de todo o caso. Pedro, tanto gritou "lobo" que já ninguém acreditava nele. E o lobo se alguma vez chegar não será durante esta governação. De resto, todos nos lembramos de momentos bem mais graves no Parlamento, durante os famigerados anos de Passos Coelho, com Assunção Esteves como Presidente da AR, anos em que se citava Simone de Beauvoir a troco de nada, deturpando o significado das suas palavras. Agora "offshore" é a palavra do dia.

Sem comentários: