sexta-feira, 21 de outubro de 2016

O reality show aproxima-se do fim

A campanha para as eleições presidenciais americanas aproxima-se do fim. Aquilo em que se transformou a democracia americana, com figuras próprias de qualquer reality show vazio, redundará na vitória da candidata manifestamente menos má - Hillary Clinton. 
Donald Trump, por sua vez, desperdiçou, no debate de ontem, a derradeira oportunidade de fazer frente a Hillary Clinton.
Todos apostam numa vitória de Clinton. Eu não sou excepção.
De resto, já se sabia que Trump tinha e mantém uma dificuldade aparentemente inultrapassável: não consegue conquistar mais eleitores para além daqueles que desde os primeiros tempos se mantiveram na sua esfera de influência. De um modo geral, esse conjunto de eleitores não chegam, mesmo nos chamados Estados swing - Estados não comprometidos com o Partido Democrata ou com o Partido Republicano - não é certo que Trump consiga conquistá-los.
Depois de uma campanha que entra para a história política dos EUA como a mais vergonhosa, Trump deixa, no entanto, uma questão inquietante: como é que alguém com as características do candidato republicano pôde chegar tão perto de ser Presidente? 
Esta questão é decisiva para se perceber o grau de degenerescência da democracia americana.


Sem comentários: