sexta-feira, 13 de maio de 2016

Brasil sem Dilma

Como explicar que a Presidente brasileira Dilma Rousseff, sem razão que justifique sequer algum alarido, seja afastada do cargo? É difícil e sobretudo é incompreensível para aqueles que acreditam no poder soberano do povo.
O Brasil transformou a sua democracia numa farsa. A direita que pretende chegar ao poder, chegou também à conclusão de que só o conseguiria recorrendo a manobras insidiosas que não passassem pela soberania do povo porque se o povo se pronunciasse, como é norma em democracia, o resultado seria invariavelmente o mesmo: os tais que moveram montanhas para afastar Dilma continuariam arredados do poder. Isso não pode ser, até porque há negócios para fazer.
Outra curiosidade da referida farsa prende-se com a palavra corrupção que alguns pretendem associar à Presidente destituída. Na verdade, muitos daqueles que gritaram "sim" em nome de tudo e de mais alguma coisa e aqueles que tudo fizeram para afastar Dilma Rousseff são eles próprios, contrariamente à Presidente agora afastada, acusados de corrrupção.
O Brasil sem Dilma é uma caricatura da democracia: fala-se na corrupção como aquela doença que corrompe o sistema democrático, mas tantos vivem bem com essa corrupção ao mesmo tempo que se afundam na mais abjecta hipocrisia. O Brasil sem Dilma é uma farsa, onde tudo parece ser relevante, menos aquilo que realmente importa: a voz do povo.


Sem comentários: