Avançar para o conteúdo principal

Preso por ter cão e preso por não ter

Somos particularmente adeptos da crítica, da crítica pela crítica, apesar de pouco ou nada fazermos para mudar o que consideramos estar errado. Esta posição, diria transversal ao povo português, explica as críticas que recaem sobre o primeiro-ministro António Costa depois de o mesmo ter optado por explicar o OE2016 através de uma sucessão de vídeos.
Se António Costa tivesse escolhido o silêncio e a evidente inexistência de explicações sofreria críticas por não prestar os devidos esclarecimentos. Ora, o primeiro-ministro escolheu a transparência e a natural explicação aos cidadãos. Reconheço que se trata de um exercício pouco habitual na nossa democracia e que a mesma tem andado afastada do diálogo permanente entre poder político e cidadãos. Talvez as críticas que recaem sobre Costa também se possam explicar pela falta de hábito. Mas António Costa será sobretudo preso por ter cão e preso por não ter. A irracionalidade, como se tem visto pelas sucessivas declarações de membros da direita, tem andado ausente da discussão política.

Costa fez bem. É também destes aparentemente pequenos gestos que se consolida a democracia.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sobre os criminosos: Jair Bolsonaro

ADSE: uma guerra injusta

Esta guerra entre Estado e empresas no sector da saúde, com as últimas a rasgarem contratos com a ADSE é profundamente injusta para os beneficiários que, recorde-se, pagam inteiramente este subsistema de saúde. Mais: as razões invocadas por essas empresas, designadamente pelo Mello Saúde e Luz esbarram na lei e denotam uma ganância que não se justifica nem num contexto de capitalismo selvagem.
A ADSE reclama 38 milhões de euros com base num parecer da Procuradoria-Geral da República, os privados que se julgam acima da lei apoiam-se na chantagem e rasgam contratos, manifestando um desprezo abjecto pela saúde das pessoas - o lucro, o sacrossanto lucro, fala sempre mais alto. E quanto às tabelas de preços, a gula sempre foi apanágio destas empresas, por conseguinte não se encontra qualquer razão de espanto.
Ora, o que esta guerra nos mostra é que a chantagem também pode ser cartelizada e que o Estado tem que ter cuidado extremo nas relações que estabelece com estas empresas, …

O Diabo não vem aí, o Diabo já cá está

Sob a ameaça de recessão, alguns comentadores decidiram ressuscitar a imagem do Diabo tão apregoada pelo malogrado (politicamente) Pedro Passos Coelho. Segundo o antigo primeiro-ministro o Diabo estava a caminho e seria a ruína da tão odiada geringonça. Note-se que este profecia do Diabo era mais um desejo do que propriamente mera futurologia. Agora e perante uma Alemanha a roçar perigosamente a recessão, perante as restantes economias europeias com um crescimento económico perto do zero, face ao resto do mundo, com a China à cabeça, a crescer muito menos e com uma guerra económica entre EUA e China como pano de fundo, desenterra-se o Diabo. Na verdade, o Diabo não precisa que as marionetas do costume o desenterrem. Na verdade, ele já anda aí e há muito tempo, chama-se capitalismo. Ele não vem, ele já cá está, entre os crescimentos e as crises, entre os crescimentos cada vez mais irrisórios e à custa do próprio planeta, mas com ares de verdadeira recuperação por se seguirem a crises pr…