Avançar para o conteúdo principal

Os mercados

Os mercados, os sacrossantos mercados, serviram, mais uma vez, de pretexto para anunciar o Apocalipse. As televisões abriram os serviços noticiosos com os quatro cavaleiros do Apocalipse, afinal de contas os mercados não haviam gostado do OE2016, estando o seu desagrado a reflectir-se na subida dos juros. Para jornais, televisões e para o ministro das Finanças alemão Schaüble o alvoroço nos mercados tinha dois rostos: António Costa e Mário Centeno.
Questões que podiam ser explicadas com rigor, designadamente o receio dos investidores, simplesmente não existiam. Os problemas com o Deutshbank, o impacto das novas regras de resolução bancária nas expectativas dos investidores ou até o abrandamento da economia mundial não explicavam as oscilações nos mercados. O fundamento era apenas e só as opções político-económicas do Governo Português.
É evidente que a direita, alheia aos interesses nacionais, entrou em delírio com aquilo que considerou ser a vingança dos mercados. Mas a desilusão chegou cedo. Afinal os mercados não se compadeceram com as dores da direita portuguesa e para além de uma recuperação assinalável, os juros da dívida portuguesa baixaram sucessivamente.
Para a desilusão da direita portuguesa ser completa só faltou a agência de notação financeira canadiana DBRS não baixar o rating da dívida portuguesa, o que aconteceu, permanecendo a mesma acima de lixo. Um verdadeiro balde de água fria para a direita assanhada e desorientada. Há semanas para esquecer.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sobre os criminosos: Jair Bolsonaro

ADSE: uma guerra injusta

Esta guerra entre Estado e empresas no sector da saúde, com as últimas a rasgarem contratos com a ADSE é profundamente injusta para os beneficiários que, recorde-se, pagam inteiramente este subsistema de saúde. Mais: as razões invocadas por essas empresas, designadamente pelo Mello Saúde e Luz esbarram na lei e denotam uma ganância que não se justifica nem num contexto de capitalismo selvagem.
A ADSE reclama 38 milhões de euros com base num parecer da Procuradoria-Geral da República, os privados que se julgam acima da lei apoiam-se na chantagem e rasgam contratos, manifestando um desprezo abjecto pela saúde das pessoas - o lucro, o sacrossanto lucro, fala sempre mais alto. E quanto às tabelas de preços, a gula sempre foi apanágio destas empresas, por conseguinte não se encontra qualquer razão de espanto.
Ora, o que esta guerra nos mostra é que a chantagem também pode ser cartelizada e que o Estado tem que ter cuidado extremo nas relações que estabelece com estas empresas, …

O Diabo não vem aí, o Diabo já cá está

Sob a ameaça de recessão, alguns comentadores decidiram ressuscitar a imagem do Diabo tão apregoada pelo malogrado (politicamente) Pedro Passos Coelho. Segundo o antigo primeiro-ministro o Diabo estava a caminho e seria a ruína da tão odiada geringonça. Note-se que este profecia do Diabo era mais um desejo do que propriamente mera futurologia. Agora e perante uma Alemanha a roçar perigosamente a recessão, perante as restantes economias europeias com um crescimento económico perto do zero, face ao resto do mundo, com a China à cabeça, a crescer muito menos e com uma guerra económica entre EUA e China como pano de fundo, desenterra-se o Diabo. Na verdade, o Diabo não precisa que as marionetas do costume o desenterrem. Na verdade, ele já anda aí e há muito tempo, chama-se capitalismo. Ele não vem, ele já cá está, entre os crescimentos e as crises, entre os crescimentos cada vez mais irrisórios e à custa do próprio planeta, mas com ares de verdadeira recuperação por se seguirem a crises pr…