sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Bernie Sanders

A corrida à Casa Branca é tarefa árdua e Bernie Sanders parte com clara desvantagem: sem apoio de Wall Street e de todos os que têm interesse na manutenção do status quo e marcado ainda por uma comunicação social que o considera marxista (um verdadeiro anátema nos Estados Unidos), resta a Sanders o apoio daqueles que lutam por uma mudança no actual estado de coisas, sendo essa a grande vantagem do candidato democrata - conta com o apoio inequívoco de tantos que se têm manifestado com a ditadura da alta finança.
Apelidado de perigoso radical (comunista) quando na verdade se trata de um social-democrata aos olhos de qualquer europeu, Bernie Sanders tem mostrado ser substancialmente diferente da sua principal adversária no Partido Democrata, Hillary Clinton. Contrariamente à ex-primeira-dama, Sanders está disposto a lutar contra a preponderância de Wall Street, devolvendo a democracia a quem efectivamente ela pertence: ao povo americano. Essa é a principal diferença, a promessa de recuperar aquilo que americanos (e mais recentemente europeus) há muito perderam: o poder do povo, a democracia.
De resto, Sanders tem contribuído para assinalar uma diferença não só comparativamente com o Partido Republicano (infestado pelo “tea party” e, paradoxalmente, por uma espécie de vale tudo para a manutenção do referido status quo), mas no próprio interior do Partido Democrata, obrigando Hillary Clinton - vencedora antecipada - a mudar o seu discurso, aproximando-o das pessoas, sobretudo daqueles que, à semelhança de Sanders, têm lutado contra a ditadura da finança. Todavia, Clinton está demasiado comprometida com essa ditadura, com Wall Street, com os milionários e com os obscenamente multi-milionários.
Apesar dos primeiros resultados serem auspiciosos, dificilmente Bernie Sanders conseguirá vencer a corrida à Casa Branca no seio do Partido Democrata, mas já conseguiu uma vitória: trouxe à luz do dia a vontade de mudança que cresce em muitos americanos, uma mudança que um dia chegará, começando pela recuperação da democracia.



Sem comentários: