terça-feira, 20 de outubro de 2015

Um prosaico exercício de futurologia

Não sendo muito dada a exercícios de futurologia, confesso ser difícil resistir à tentação de conjeturar sobre o que aí vem. O mais natural seria Cavaco Silva perante um cenário de ingovernabilidade, questionar António Costa sobre uma solução encabeçada pelo PS com o apoio dos partidos de esquerda - uma solução que dê mais garantias de estabilidade pela simples razão de se tratar de uma solução maioritária. Ou dito por outras palavras, se António Costa apresentar uma solução de maioria, mesmo apenas com apoio parlamentar, e se o mesmo António Costa e os partidos mais à esquerda manifestarem intenção de chumbar um eventual programa de Governo da coligação, então a solução à esquerda devia ser a escolhida. Isto num contexto de normalidade e maturidade democrática.
Mas como a lógica e a dita maturidade democrática são amiúde relegadas para um segundo plano, o Presidente indigitará Passos Coelho como primeiro-ministro, deixará este formar governo e assistirá ao chumbo do programa de Governo por toda a oposição. Depois, Cavaco Silva chamará António Costa e a solução de esquerda, evitando o cenário de um governo de gestão por largos meses, criando uma instabilidade a que o país simplesmente não se pode dar ao luxo. Seja como for, espera-se mais algumas semanas, entre a indigitação, formação de governo e chumbo do programa desse governo, que consubstanciam uma absoluta perda de tempo.

Este é o meu exercício de futurologia. Espera-se ainda assim que a realidade não ande muito longe desta prosaica conjetura porque qualquer solução que implique um governo de gestão é irresponsável e terá elevados custos para o país. Recorde-se que o Cavaco Silva terá afirmado que “o Presidente da República não pode substituir-se aos partidos no processo de formação de Governo, e eu não o farei e que o mesmo sempre pugnou pela tão famigerada "estabilidade".

Sem comentários: