Avançar para o conteúdo principal

Uma visão exígua da democracia

Sob os auspícios de uma comunicação social concentrada em grandes grupos económicos, empenhada em salvaguardar os interesses desses mesmos grupos e pressionada pela profusão de outras plataformas que invadem o espaço público, o cidadão distrai-se com o acessório, perdendo de vista, axiomaticamente, o essencial. E assim se vai construindo uma visão exígua da democracia.
A democracia só se constrói com a participação efetiva dos cidadãos, que se pretende que se mantenham vigilantes, garantindo deste modo que o Governo se mostre responsável. Essa vigilância ainda se torna mais imperativa quando o Governo defende interesses que não se coadunam com o interesse comum e quando os poderes e contrapoderes – próprios das democracias – falham: um Governo empenhado na defesa de interesses que não são os dos cidadãos; um Governo que despreza e desrespeita os cidadãos; um Governo empenhado no empobrecimento – numa verdadeira antítese do que é a política -; uma maioria que sustenta cegamente esse Governo; um Presidente que serve apenas para apoiar as medidas suicidas do Governo; e cujo único travão tem sido aquele imposto pelo Tribunal Constitucional
Ora, não podemos falar de um povo vigilante que, com facilidade esgota o seu tempo a discutir a saída de um treinador de futebol, um povo que vê essa sua discussão animada por uma comunicação social pouco interessada em dar qualquer contributo para a construção de uma democracia mais participativa.

Assim, neste contexto, e quando a efemeridade própria destas futilidades fazem esquecer a discussão mais desenfreada, resta um vasto conjunto de cidadãos resignados perante as injustiças e que alimentam a falsa ideia de que a responsabilidade não é sua. A responsabilidade é de todos nós, sobretudo daqueles que nada contribuem para a construção de uma democracia consolidada e que, ao invés, fomentam a referida visão exígua da democracia.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Normalização do fascismo

O PSD Açores, e naturalmente com a aprovação de Rui Rio, achou por bem coligar-se com o "Chega". Outros partidos como o Iniciativa Liberal (IL) e o CDS fizeram as mesmas escolhas, ainda que o primeiro corra atrás do prejuízo, sobretudo agora que a pandemia teve o condão de mostrar a importância do Estado Social que o IL tão avidamente pretende desmantelar, e o segundo se tenha transformado numa absoluta irrelevância. Porém, é Rui Rio, o mesmo que tem cultivado aquela imagem de moderado, que considera que o "Chega" nos Açores é diferente do "Chega" nacional. Rui Rio, o moderado, considera mesmo que algumas medidas do "Chega" como a estafada redução do Rendimento Social de Inserção é um excelente medida. Alheio às características singulares da região, Rui Rio pensa que com a ajuda do "Chega" vai tirar empregos da cartola para combater a subsidiodependência de que tanto fala, justificando deste modo a normalização que está a fazer de um pa

CDS: tiro (de canhão) no pé

Foi precisamente um tiro de canhão que Assunção Cristas deu no próprio pé. Primeiro deixou que o seu partido se colocasse junto do PSD e dos partidos à esquerda do PS na questão do descongelamento do tempo integral do tempo de serviço dos professores, e agora volta atrás, colocando a possibilidade de votar contra. Depois de uma manobra que rapidamente se percebeu ser desastrosa, Cristas procura agora emendar a mão, mas a verdade é que já não sobre muito para emendar. Resta agora esperar por Rui Rio que só falará hoje (domingo). Não faltará muito para se começar a colocar em questão a própria liderança do CDS, provavelmente esse tempo será o subsequente ao resultado das eleições europeias e para os mais ponderados, depois das legislativas. Não faltará muito, pois, para se olhar novamente para o táxi como habitat natural do CDS. De resto, esta manobra do partido é apenas o último estertor de uma liderança que para não destoar do outro partido de direita, tem-se revelado um mar d

Mais uma indecência a somar-se a tantas outras

 O New York Times revelou (parte) o que Donald Trump havia escondido: o seu registo fiscal. E as revelações apenas surpreendem pelas quantias irrisórias de impostos que Trump pagou e os anos, longos anos, em que não pagou um dólar que fosse. Recorde-se que todos os presidentes americanos haviam revelado as suas declarações, apenas Trump tudo fizera para as manter sem segredo. Agora percebe-se porquê. Em 2016, ano da sua eleição, o ainda Presidente americano pagou 750 dólares em impostos, depois de declarar um manancial de prejuízos, estratégia adoptada nos tais dez anos, em quinze, em que nem sequer pagou impostos.  Ora, o homem que sempre se vangloriou do seu sucesso como empresário das duas, uma: ou não teve qualquer espécie de sucesso, apesar do estilo de vida luxuoso; ou simplesmente esta foi mais uma mentira indecente, ou um conjunto de mentiras indecentes. Seja como for, cai mais uma mancha na presidência de Donald Trump que, mesmo somando indecências atrás de indecências, vai fa