quarta-feira, 25 de março de 2015

Comissões de inquérito

Sucedem-se umas atrás das outras. Entre acusações acerca da derrocada do BES, o parlatório é contínuo. Demoram as consequências. No país da impunidade, alega-se que o processo em torno da derrocada do BES implica especial complexidade e deste modo procura-se explicar a morosidade a que a justiça nos tem habituado, em particular quando os envolvidos são os donos disto tudo.
As comissões de inquérito não passam de meras formalidades, um pouco na senda de se fundamentar a ideia de que alguma coisa está a ser efectivamente feita. Mas no país avesso a consequências, elas tardam e raras vezes chegam.
No país da impunidade é possível que exista quem tenha informação privilegiada e dessa forma tenha vendido atempadamente aquilo que em pouco tempo deixou de ter qualquer valor e é também possível que exista quem tenha tido informação em sentido contrário prestada por aqueles que têm e, incrivelmente continuam a ter, uma elevada responsabilidade. Esses perderam tudo.

Finalmente, exigir-se seriedade e transparência a um sector que há muito os esqueceu é clamar por um milagre. Pelo caminho existem entidades que aparentemente fazem a regulação e supervisão do sector financeiro. Mas só aparentemente. E nós, os que estamos em baixo da cadeira alimentar, os tais que estão longe de ser donos disto tudo, também conhecidos por "povo", vamos assistindo ao que se passa. Apenas assistindo.

Sem comentários: