quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

A Rússia é uma variável da equação

Quando se discute a questão grega, em particular depois da vitória do Syrisa, existe uma variável que não pode ficar de fora da equação: a Rússia.
Evidentemente que a Rússia está presente nas mentes dos principais líderes europeus, a começar pela chanceler alemã Angela Merkel, o que contribui para o enfraquecimento de uma hipotética saída da Grécia do Euro. De resto, se essa saída se consumasse, a Grécia seria forçada a estreitar ainda mais as relações com a Rússia, permitindo que este país alargasse substancialmente a sua zona de influência. Recorde-se que a Grécia mantém relações de
proximidade com a Rússia que se consubstanciam sobretudo em relações de natureza comercia que se intensificaram nos últimos anos.
Alexis Tsipras, novo primeiro-ministro grego, já deixou claro que não é apologista de uma antagonização relativamente à Rússia. Tsipras já chegou mesmo a afirmar que "por agora" uma ajuda da Rússia, "não está em consideração", por agora.
A Grécia encostada à parede e entregue à miséria escolheu a mudança. Ora, se a Europa, designadamente a Alemanha, insistir no caminho que tem vindo a ser seguido, corre o risco de empurrar este país para a própria Rússia - facto que seguramente não escapa à Administração Obama que, através do próprio Presidente, já mostrou o seu apoio à Grécia.

Por conseguinte, a saída da Grécia do Euro afigura-se improvável, talvez não tanto pelas consequências dessa saída para a restante Zona Euro, mas sobretudo devido às implicações geo-estratégicas da Europa e dos EUA.

Sem comentários: