sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

A eterna vigilância

Bruxelas identifica a existência de desequilíbrios económicos excessivos e coloca o país sob vigilância, ou "monitorização específica". Há escassos meses a Comissão Europeia já se tinha mostrado incomodada com a perda de ímpeto reformista do Governo português.
Discute-se agora se Portugal ainda é ou não o bom aluno. Todavia, e do meu ponto de vista, a questão é mais ampla e mais inquietante. Se Portugal continua a ser, ou se alguma vez foi um bom aluno, é uma questão de menor importância. Aliás, em bom rigor, Portugal - através do seu Governo - nunca conseguiu ser mais do que o aluno "graxista" que sempre procurou ir para além do que os professores lhe indicaram com o intuito de os agradar. Uma posição embaraçosa e pouco mais.

A questão é mais preocupante: vigilância será para largas décadas, na precisa medida em que a dívida do país é impagável e corresponde, se nada for feito, a décadas de escravatura. Pelo caminho teremos a vigilância das instituições europeias cegas pela inflexibilidade que se traduz no pagamento da dívida custe o que custar, isto se a configuração política nos vários Estados-membros se mantiver refém dos partidos do costume, o que considero um cenário, ainda assim, pouco provável.

Sem comentários: