terça-feira, 23 de dezembro de 2014

A última grande privatização

A venda da TAP corresponde à última grande privatização do actual Governo. Depois de discussões sobre o que está ou não estipulado pelo memorando de entendimento assinado com a Troika, depois de potenciais greves e manobras para impedir essas greves, a venda da transportadora aérea portuguesa é um facto praticamente consumado. Para ajudar a compor as coisas, é notícia a necessidade da TAP conseguir 250 milhões de crédito à banca até à venda da empresa.
Ideologia. Imperativos ideológicos, com ou sem imposições da troika - a ideia de vender tudo o que for possível sempre esteve subjacente à governação do PSD/CDS. A TAP é apenas a última grande venda levada a cabo por este Executivo.
Se lhe for renovado o mandato em próximas eleições legislativas, e embora já não reste grande coisa para vender, qualquer coisa se arranjará. A água? E para quê? Para enriquecer uma minoria e empobrecer a esmagadora maioria.
De qualquer modo, a TAP seria sempre vendida a privados, assim como será a RTP que ainda se mantém pública por interessar a quem governa.
Com greves ou sem elas a TAP já tem o seu destino marcado. Num contexto em que impera a impunidade e o deixa andar, a imaginação não conhece limites. Se dúvidas existem, renove-se o mandato do actual Executivo.

Sem comentários: