quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Tenham medo, tenham muito medo II

São notórias as tentativas de se demonizar o jovem partido espanhol Podemos. E é natural que assim seja, sobretudo quando se coloca em causa o status quo. Populistas e perigosos são apenas alguns adjectivos utilizados para caracterizar o Podemos. Faz sentido, senão vejamos: defesa de medidas económicas que pugnam pela criação de empregos através de reduções do horário de trabalho; aumento da participação social nas empresas públicas; auditoria cidadã à dívida pública; reestruturação da dívida; reforço da protecção social; maior participação popular na elaboração do Orçamento de Estado; contestação e defesa de mudanças no Banco Central Europeu; reforço dos mecanismos de democratização no sentido de devolver a democracia aos cidadãos.
Estas medidas são perigosas para quem defende o primado daqueles partidos políticos guardiões de um sistema que promove iniquidades enquanto defende os interesses de uma espécie de casta dominante assente no capitalismo financeiro. Partidos como o Podemos representam uma ameaça e, nesse sentido, importa que a comunicação social faça o seu papel: diabolizar os que põe em causa o capitalismo financeiro que, como todos sabemos, não se coaduna com as democracias. Tenham medo do Podemos, tenham muito medo - podia ser o lema de uma parte importante da comunicação social em Espanha, mas também em boa parte da Europa.

Sem comentários: