quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Se o arrependimento matasse...

...Passos Coelho não morreria desse mal. O primeiro-ministro não é um homem de arrependimentos, veja-se o caso de Nuno Crato, ministro da Educação. Depois de alegadamente o ministro da Educação ter colocado o seu lugar à disposição, o primeiro-ministro que não aceitou essa demissão ainda reitera a sua confiança no ministro.
Escusado será dizer que a abertura do ano lectivo foi desastrosa e continua a ser desastrosa. Todavia, esse desastre é uma questão de somenos na óptica do primeiro-ministro, alguém que não abdica da imagem de líder inabalável, não manifestando nem fraquezas, nem arrependimentos.
É claro que a aparente incompetência do Governo não deixa de servir os propósitos do Executivo, designadamente o enfraquecimento dos serviços públicos. Tarefa que Passos Coelha espera continuar depois de 2015.
Com efeito, Passos Coelho não tem razões para se arrepender. O Estado Social é enfraquecido a cada dia que passa; a desvalorização salarial e a precariedade no emprego consolidam-se a cada dia que passa; as privatizações trouxeram vantagens à Casta nacional e internacional.
Passos Coelho não é um homem de arrependimentos, nem tem de sê-lo, até porque não tem razões para tal, antes pelo contrário, os seus objectivos têm sido atingidos. A esperança reside no tempo que ainda lhe resta e a julgar pelas intenções de voto esse tempo é manifestamente escasso.


Sem comentários: