segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Orçamento de Estado amigo das famílias

Um Orçamento de Estado amigo das famílias – é desta forma que se tem apresentado o Orçamento de Estado 2015. O optimismo é essencial para o período eleitoral que se avizinha.
De um modo geral, este é um OE optimista e amigo das famílias – facto sublinhado vezes sem conta pelos membros do Governo. Quem tem mais filhos, mais ganhará com este OE. Mas será mesmo assim? Depois de mais de três anos de mentiras, poderemos agora acreditar neste Executivo? A resposta é evidente.
O ministério da Educação e Ciência perde mais de 11 por cento, depois de já ter perdido milhares de milhões nos últimos anos. Assim também se vê como as famílias vão ganhar com este Orçamento.
A cláusula de salvaguarda que garantia que o IMI não disparava para níveis obscenos acaba, prevendo-se um vasto conjunto de aumentos muito significativos. Os juros provenientes do crédito habitação também chegam a um fim.
A electricidade aumenta 3,3 por cento; o Rendimento Social de Inserção e o Complemento Social para Idosos descem 2,8 por cento e 6,7 por cento, respectivamente; aumento de impostos nos combustíveis. Tudo boas notícias para as famílias.
Outras curiosidades: redução de efectivos na função pública, 122 milhões de euros de corte na Justiça, tudo num quadro de previsões irrealistas que apontam para o crescimento das exportações, apesar da apatia generalizada das economias europeias e o aumento do consumo privado que afinal sempre tem alguma importância. Quanto ao desemprego, há esperança que este não ultrapasse os 13,4 por cento – o que é possível, sobretudo depois de tantos artifícios para manter esses números dissimuladamente baixos.
O défice ficará então pelos 2,7 por cento. Espera-se. E espera-se fundamentalmente que a Europa aceite esse novo número. A austeridade traduz-se em 1249 milhões de euros. Um valor que se aproxima dos 1045 milhões de euros de isenções a Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) em 2012 – benefícios em sede de IRS. Apenas um exemplo de prioridades. Quem é amigo, quem é?

Sem comentários: