quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Justiça social

Ocupamos um dos piores lugares no ranking da justiça social (20º lugar em 28 Estados-membros), quem o diz é a fundação alemã Bertelsmann Stiftung. Os indicadores levados em conta são o acesso a serviços de saúde, justiça, acesso ao mercado de trabalho, coesão social, prevenção da pobreza, equidade na educação entre gerações mais novas e mais velhas.
O que explica a nossa posição prende-se evidentemente com as medidas de austeridade que fustigaram o país nos últimos anos. A desvalorização salarial, acompanhada por um desinvestimento nos serviços públicos são determinantes para explicar a deterioração da justiça social no nosso país.
Disseram-nos que por termos vivido acima das nossas possibilidades éramos obrigados a fazer sacrifícios - só assim se poderia equilibrar as contas públicas. Ora, o défice continua acima do esperado e a dívida tornou-se verdadeiramente impagável.
As medidas adoptadas apanharam os mais desfavorecidos, arrastando também a classe média para um mundo de dificuldades até então desconhecidas. PPP's, swaps, isenções fiscais e outras atrocidades mantêm-se alheias aos sacrifícios. De resto, a desvalorização do trabalho e a fragilização dos serviços públicos têm dado jeito a alguns.
Neste contexto, as desigualdades aumentam e a justiça social começa a ser uma miragem.

Sem comentários: