terça-feira, 21 de outubro de 2014

Hong Kong e a luta pela democracia

Ou melhor: Hong Kong e a luta pela democracia, uma luta desprezada pelo mundo.
De facto, luta do Occupy Central não têm sido ignorada pela comunicação social, embora essa cobertura seja enviesada ou superficial. A luta pelas liberdades; a luta contra o aumento das desigualdades que têm crescido exponencialmente (inexistência de subsídios de desemprego, pensões, as quase 50 horas de trabalho semanal, o preço astronómico da habitação) e a luta pela democracia acabam por ser tópicos abordados de forma superficial. Insiste-se ao invés na enfatização da desobediência civil – uma desobediência absolutamente justificada.
A comunidade internacional age como se nada passasse em Hong Kong. A direita (boa parte dela) tem na China um parceiro comercial incomensuravelmente importante, o que inviabiliza qualquer critica. A esquerda (parte dela) sente-se pouco à vontade com críticas à China, ignorando assim a importância da luta daqueles que, à semelhança de parte da esquerda, lutam pelo fim das desigualdades, pelas liberdades, pela autonomia política e pela democracia. As exigências são as mesmas, diferem apenas os contextos.
No cômputo geral, o que se está a passar em Hong Kong, embora tenha conseguido alguma visibilidade da comunicação internacional, superficial, mas ainda assim alguma visibilidade, está longe de conseguir arrancar uma critica ao regime chinês da parte da comunidade política internacional.
Assim, aqueles que pretendem uma democracia plena, que insistem na eleição directa do chefe de governo de Hong Kong que deixou de ser colónia britânica desde 1997, estão sozinhos. E nem a enviesada atenção da comunicação social os arrancará desse isolamento. A China quer manter o controlo absoluto sobre o governo de Hong Kong que por ter sido colónia britânica conta assim com uma margem maior de informação e movimento. Evitará certamente uma nova situação semelhante a Tiananmen, mas sem flexibilidade para mais. Paradoxalmente, uma repetição de Tiananmen seria exactamente aquilo que alguma comunicação desejaria.

Sem comentários: