sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Desafios

O maior desafio da esquerda, sobretudo em países como Portugal, é a dívida e o que fazer com ela. Sendo certo que esse debate caracteriza-se amiúde por questões técnicas, a verdade é que esta é uma discussão que a esquerda tem de fazer, até porque a direita aparenta estar satisfeita com a insustentabilidade dos juros da dívida e vive bem com o problema da dívida.
Os partidos mais à esquerda do PS já encetaram tentativas de fazer esse debate - Bloco de Esquerda e Partido Comunista fizeram mais pela discussão deste tema premente do que os partidos do famigerado arco da governação.
O Partido Socialista que muito em breve terá como líder António Costa, há anos que não se define e António Costa já manifestou não estar particularmente inclinado para a reestruturação da dívida, embora alegue estar atento a essa discussão. Costa pretende atacar o problema de duas formas: alimentado a esperança que tem na nova Comissão Europeia encabeçada por Juncker e promovendo um grande "plano de investimentos". A esperança é de facto a última a morrer, mas em relação ao referido grande "plano de investimentos" a questão que se coloca é a do costume: com que dinheiro? A pipa de massa referida por Durão Barroso está muito longe de constituir uma solução para a dívida ou será que Costa consegue uma espécie de Plano Marshall para Portugal?
Costa padece dos mesmos males do resto do socialismo democrático europeu: alinha com os poderes instalados, sobretudo financeiros, sem os questionar, naturalmente, e, por conseguinte, mostra-se incapaz de resolver o que quer que seja. Os desafios como é o caso da dívida não encontram caminhos, alternativas e hipotéticas soluções entre os socialistas, comprometidos que estão com o poder financeiro.
Não admira pois que o socialismo democrático europeu e a social-democracia andem pelas ruas da amargura. Caso paradigmático acontece em França quando se discute a possibilidade de se deixar de se chamar partido socialista ao Partido Socialista francês. Em bom rigor, essa possibilidade, a concretizar-se, acaba por contribuir para um esclarecimento e para uma redefinição do socialismo democrático.

Sem comentários: