quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Consolidação orçamental

O Governo escolheu deixar o défice derrapar para os 2,7 por cento ao invés dos 2,5 por cento acordados. A Comissão Europeia reagiu, colocando em causa a "qualidade da consolidação orçamental", enfatizando também a necessidade de mais medidas para 2015. O Governo rebateu a posição da Comissão afirmando que "não seria coerente aumentar impostos". Nós acrescentamos: esse aumento de impostos não seria coerente com o período eleitoral que se avizinha.
De resto, não restam dúvidas de que se não se tratasse de um ano de eleições, o Orçamento de Estado seria mais oneroso - só o período eleitoral é que de facto se sobrepõe aos ditames europeus. Só isso e mais nada.
Pedro Passos Coelho, numa manobra infeliz por estar longe de corresponder à verdade, já afirmou estar pouco preocupado com eleições. Não é verdade, aliás é mais uma mentira a somar a tantas outras. Passos Coelho, Paulo Portas e os seus acólitos estão preocupados com eleições, há muito em jogo: desde a perpetuação de lugares, à implementação de políticas claramente vantajosas para uma minoria, com claro prejuízo para a maioria.
De um modo geral, a transformação que está a ser levada a cabo pelo actual executivo não está concluída, são necessários mais alguns anos para que essa transformação se consolide. Por ora, as contas públicas e o tão apregoado rigor podem esperar, depois, se tudo correr de feição, retomar-se-á o rumo de destruição social do país.


Sem comentários: