quarta-feira, 24 de setembro de 2014

O último debate

Mais do mesmo. Costa e Seguro deram o tudo por tudo para vencerem um processo eleitoral susceptível de contar com votantes cuja agenda política é contrária à agenda do PS. Quantos daqueles que se inscreveram são efectivamente simpatizantes do Partido Socialista? Quantos não se terão inscrito com o objectivo de escolher o candidato teoricamente mais fraco para facilitar a vida do actual Governo?
Quanto ao último debate não se vislumbrou qualquer novidade. António José Seguro tenta fazer aquilo que em três anos não fez: mostrar que é alternativa ao Governo. Mas vê-se deparado com uma dificuldade acrescida: é forçado a mostrar que é alternativa ao Governo e ao próprio António Costa, candidato à liderança do partido. Teria sido manifestamente mais fácil apostar num projecto alternativo à actual governação, o que claramente não aconteceu.
António Costa acaba por ter a tarefa mais facilitada, ultrapassa a questão em torno da forma como avançou para a liderança do partido. A Costa basta mostrar-se confiante e carismático; Seguro procura apresentar propostas, algumas das quais no mínimo polémicas, como foi o caso da proposta de redução do número de deputados. O emprego é a prioridade de ambos; a defesa dos serviços públicos é naturalmente comum aos candidatos. Seguro insistiu em seguir um caminho conhecido: o de acusações gastas e António Costa respondeu com frases fortes como: "tu construiste uma alternativa em que só tu acreditas”. O debate ficou particularmente aceso quando Seguro acusou Costa de ter nas suas hostes um homem ligado ao BES e à Ferrostal conhecida pelo caso dos submarinos. Seguro quis colar Costa à promiscuidade entre negócios e poder político e Costa respondeu com uma reprimenda. Em suma, não há diferenças substanciais entre Seguro e Costa, no que diz respeito a políticas, e ambos acabam por reconhecer isso mesmo.
Relativamente a um hipotético vencedor, tudo indica que será Costa, mas resta saber de facto quantos simpatizantes são mesmo simpatizantes do Partido Socialista e quantos nutrem outro género de simpatias.

Sem comentários: