segunda-feira, 30 de junho de 2014

Unidade

António Costa, candidato das primárias do PS. enfatizou a unidade do partido, recorrendo a manifestações de punho fechado como símbolo da unidade do partido, referindo também que os adversários “estão lá fora”.
Percebe-se a intenção do candidato que procura unir o que está desunido. A referida unidade não existe, nem no PS, nem na esquerda no sentido mais genérico. Unidade só se encontra de facto na direita, em Portugal e não só.
No caso concreto do PS é a desunião que o caracteriza, com episódios mais ou menos acesos, uma desunião que durará pelo menos mais quatro meses. Quem ganha são os partidos do Governo que não conhecem – como de resto não conheceram nos últimos três anos – adversário à altura. O que não deixa de ser curioso: o Governo mais medíocre da história de democracia portuguesa nunca chegou a conhecer um adversário à altura, apesar dos esforços dos partidos mais à esquerda do PS que está confinados a uma dimensão que não lhes permite fazer muito mais do que aquilo que têm feito. Isto diz muito da liderança de António José Seguro que nunca foi verdadeiramente oposição.
Quanto à unidade interna que Costa apregoa, mesmo a concretizar-se poderá não ser suficiente para fazer frente aos partidos que compõem o Governo. Essa unidade, por muito que seja difícil, ter-se-á de se alargar a outros partidos de esquerda.

Sem comentários: