sexta-feira, 20 de junho de 2014

O Reinado

Não, este texto não visa tratar a coroação do Rei Filipe VI de Espanha, embora reconheça que o assunto que me proponho tratar seja igualmente desinteressante.
O jornal Público na sua versão online utilizou a seguinte manchete: “Reinado de Ricardo Salgado no BES chegou ao fim”. A utilização da palavras “reinado” é apropriado, no que se refere particularmente à ênfase dada à preponderância da instituição bancária em causa, restando poucas dúvidas quanto ao peso que este (é deste banco que se trata agora) e outras instituições bancárias têm.
Ricardo Salgado, que sai agora da presidência do banco, saiu também do seu gabinete, acompanhado por proeminentes figuras de outras instituições bancárias para dizer ao primeiro-ministro da altura – José Sócrates – que estava na altura de pedir “assistência externa”. Por conseguinte, o ainda presidente deste banco ajudou à festa que têm sido estes anos de troika: uma festa exclusiva, farta e acentuadamente profícua para os seus participantes.
A mudança na presidência deste banco ou de qualquer outro pouco ou nada diz ao país. De resto, fica tudo na mesma, a extraordinária capacidade de influência destes senhores manter-se-á intacta e muitos ilustres membros da classe política continuará a prestar-lhes vassalagem, enquanto os súbditos cá estarão para tapar buracos. Foi um bom reinado, apenas para eles, mas foi um bom reinado, mesmo que agora tenha chegado ao seu fim.

Sem comentários: