terça-feira, 3 de junho de 2014

Irrelevante


Entre a novela do PS e a selecção nacional de futebol, resta pouco espaço na comunicação social, sobretudo na televisão, para as inconstitucionalidades declaradas pelo Tribunal Constitucional e pelas medidas possíveis para compensar esses chumbos, designadamente um novo aumento de impostos e novas reduções salariais.
A televisão ainda vai marcando a actualidade, dando especial atenção, no que diz respeito assuntos políticos, à telenovela protagonizada por António José Seguro e por António Costa. Não existem divergências ideológicas, mas antes jogos de poder, caracterizados pela preponderância de alguns egos e pelas discussões de eventuais lugares. Tudo o resto é irrelevante. As questões ideológicas, o debate de ideias e a pluralidade de opinião são questões irrelevantes para quem escolhe o que marca e quem marca a actualidade. O simplismo e a inanidade fazem o seu caminho. Na próxima sexta-feira António Costa apresenta o seu programa da candidatura à liderança ao PS, vamos ver se esse programa é ou não relevante para a comunicação social, em especial para os principais canais de televisão.
O país empobrecido ver-se-á a braços com mais austeridade, isso enquanto a promiscuidade entre poder político e poder económico não cessa de existir, enquanto se insiste no pensamento único e, consequentemente, nas políticas únicas e enquanto o empobrecimento colectivo aumenta a cada dia que passa.
Assim, vão-nos entretendo com quem apoia quem no PS, quem ameaça demitir-se no PS, quem consegue vencer um braço de ferro que teve qualquer relação com uma ideia – uma ideia; uma alternativa. No Bloco de Esquerda reina o mesmo vazio; o CDS faz-se de morto, pelo menos durante uns tempos e PSD vai cavalgando uma derrota que passou despercebida.

Assim, vão-nos entretendo com encontros entre responsáveis políticos e jogadores de futebol, “selfies” e a antevisão do que será o desempenho da selecção nacional de futebol. Tudo o resto se torna absolutamente irrelevante, incluindo o papel dos cidadãos numa sociedade em inexorável transformação.

Sem comentários: