terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Como sair limpo da imundície


A discussão do momento é precisamente como sair limpo da imundície. Refiro-me naturalmente à saída "limpa" de Portugal do programa de "ajuda" externa, à semelhança do que aconteceu com a Irlanda. Uns acreditam que é possível, outros referem a importância de um programa cautelar.
Não deixa de ser curiosa a terminologia utilizada: programa de "ajuda" externa e "saída limpa" são apenas alguns exemplos. Vivemos na era dos eufemismos e dos subterfúgios, amiúde misturados com a expressões como "viver acima das nossas possibilidades (já menos utilizada) a par da palavra "sacrifício".
"Saída limpa" ainda assim consegue ser a expressão mais curiosa porque pressupõe uma resposta à questão: como sair limpo da imundície? Como sair limpo da austeridade que faz vítimas todos os dias, quando as saídas implicam sempre mais austeridade?; como sair limpo de um contexto de empobrecimento incessante?; como sair limpo de um futuro marcado pela miséria e pela dívida?
A resposta a estas perguntas é óbvia: não há saída limpa, nem sequer para a Irlanda que se viu a braços com a dívida do sector bancário, que cresce a um ritmo anémico e que não se livrará tão cedo da austeridade que excita as instituições europeias.

Sem comentários: