segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Pensões de sobrevivência

Depois de na quinta-feira, o ministro Paulo Portas ter afirmado que não havia lugar a mais austeridade, no domingo subsequente sabe-se que o Governo se prepara para cortar nas pensões de sobrevivência.
Já todos percebemos que este Governo tem uma vocação para atacar os mais fracos. Já todos percebemos que a mentira tem perna curta e que, no caso em apreço, vai de quinta-feira a domingo.
Mesmo se tratando de uma medida que visa pensionistas que acumulam pensões, é importante relembrar que muitos pensionistas (uma vasta maioria) somam um pensão de miséria a outra pensão de miséria. Assim como importa recordar que esta é mais uma medida retroactiva, com o objectivo de poupar de cem milhões de euros.
Com efeito, estas medidas já não raiam a imoralidade; mas antes se afundam na mais abjecta e profunda imoralidade.
Registe-se o seguinte paradoxo: para quem evoca a moralidade, ou a falta dela, associada à culpa - "vivemos acima das nossas possibilidades" ou "temos de trabalhar mais", pressupondo que no passado fomos uns indolentes  -, as medidas adoptadas pelo Executivo de Passos Coelho ficam a dever e muito à "atitude e actuação em matéria de moral de um indivíduo ou de uma sociedade".

Sem comentários: