Avançar para o conteúdo principal

Dizem-me... do imponderável

Dizem-me que só há uma caminho seguro. Quantos aos outros caminhos... falam-me do imponderável, do que não se pode prever, como se as previsões deles tivessem algum rigor.

Dizem-me que vivi acima das minhas possibilidades...

Dizem-me para me sentir culpada...

Culpada sim! Dívida é culpa...

Dizem-me que tenho de pagar.
- O quê?
- A dívida.
- Qual?
- Toda.
- Mas de que dívida é que estamos a falar?
- A que resultou do facto de teres vivido acima das possibilidades.
- Mas eu....
- Não interessa. O outro, o que regressou de Paris, é culpado, mas tu também és.

Dizem-me para aceitar o retrocesso, a miséria e até a fome, imagine-se!

Dizem-me que a democracia não tem uma dimensão social...

Dizem-me que não há alternativa... e se por mero acaso houvesse... falam-me do imponderável, do inevitável, da insustentabilidade e da competitividade...

Fazem-me acreditar que o futuro não existe, que é coisa do passado...

Impingem-me verdades absolutas...

Já nem se esforçam na mentira, já nem procuram alimentar a ideia de que vai tudo valer a pena...

Querem-me pacífica, resignada...

Querem que esqueça o significado da palavra "resistir"....

Amanhã, dia 26 de Outubro, volto a dar a minha resposta: não aceito, não cruzo os braços, não me vergo nem tão-pouco tenho medo do imponderável. Lutarei.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Amazónia: o anúncio de um crime

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, anunciou que entregará a Amazónia para exploração de empresas norte-americanas. Esta ideia contém em si mesma um mundo de perigos; este anúncio vem na sequência de promessas eleitorais, ou seja, quem votou em Bolsonaro votou nisto. E o que é isto? Será um verdadeiro atentado contra o planeta ou alguém acredita que bons samaritanos preparam-se para explorar, perdão preservar, a floresta  amazónica? Ou alguém está convencido de que os americanos estão interessados numa qualquer outra coisa que não o lucro, rápido e em abundância? De resto é essa a essência do capitalismo, ou será que no entendimento de Bolsonaro o capitalismo é também outra coisa? Como o nazismo é.
Mas o Presidente brasileiro vai mais longe, para além de dar aos americanos a exploração, o que levanta outras questões que se prendem com os próprios recursos brasileiros e a ingerência externa para deitar a mão a esses recursos, promete rever as demarcações indígenas. Es…

O maior desafio da Europa

Há uns escassos quatro anos atrás dir-se-ia que o maior desafio da União Europeia seria a crise económica. Hoje dir-se-á que o maior desafio da Europa é a questão das migrações.
É evidente que o problema económico não desapareceu, encontrando-se apenas adormecido, à espera que uma nova crise financeira o acorde. Quanto à problemática das migrações, a UE está apenas a pagar a factura de ter contribuído para a instabilidade de Estados como a Síria e a Líbia, assim como paga também a factura de ter apostado durante décadas numa política de integração acéfala e desregulada, tratando os imigrantes com um misto de paternalismo e permissividade, criando amiúde desigualdades na forma de tratamento entre cidadãos. O resultado, como não podia deixar de ser, está à vista: endurecimento das políticas migratórias, a criação e leis cujo o alvo é especifica e unicamente os imigrantes e toda uma deriva xenófoba.
Nem a propósito, o New York Times (NYT) ofereceu aos seus leitores uma report…

ADSE: uma guerra injusta

Esta guerra entre Estado e empresas no sector da saúde, com as últimas a rasgarem contratos com a ADSE é profundamente injusta para os beneficiários que, recorde-se, pagam inteiramente este subsistema de saúde. Mais: as razões invocadas por essas empresas, designadamente pelo Mello Saúde e Luz esbarram na lei e denotam uma ganância que não se justifica nem num contexto de capitalismo selvagem.
A ADSE reclama 38 milhões de euros com base num parecer da Procuradoria-Geral da República, os privados que se julgam acima da lei apoiam-se na chantagem e rasgam contratos, manifestando um desprezo abjecto pela saúde das pessoas - o lucro, o sacrossanto lucro, fala sempre mais alto. E quanto às tabelas de preços, a gula sempre foi apanágio destas empresas, por conseguinte não se encontra qualquer razão de espanto.
Ora, o que esta guerra nos mostra é que a chantagem também pode ser cartelizada e que o Estado tem que ter cuidado extremo nas relações que estabelece com estas empresas, …