terça-feira, 22 de outubro de 2013

Ausência de pobres


Paulo Portas, embora tenha salvaguardado os direitos relativos às manifestações, não teve a contenção que se impõe a um vice (?) primeiro-ministro e que lhe impeça de proferir comentários mais adequados a um néscio.
Ora, Paulo Portas, a propósito da manifestação da CGTP, acredita que os pobres não marcaram presença em manifestações; os pobres nem tão-pouco aparecem na televisão.
Paulo Portas não deve ter participado na manifestação, pelo menos a julgar pelas tolices ofensivas que profere. Compreende-se a ideia, embora esta gente se comporte como iluminados, a verdade é que vivem na mais abjecta alienação. A ideia é associar manifestações como a da CGTP a grupos de pretensos priveligiados, como sejam os que têm pensões acima dos 300 euros e funcionários públicos. Engana-se Paulo Portas, ou melhor: Paulo Portas já não consegue enganar, e é esse o seu maior drama.
De qualquer modo, Paulo Portas deverá participar noutras manifestações para ver em primeira mão a ausência de pobres. Tem uma oportunidade já no próximo sábado - trata-se de uma manifestação dos que deram as voltas à comunicação social, alegando ser amigos da troika e dessa forma conseguindo a atenção de uma comunicação social que mais não faz do que coadjuvar os que estão empenhados em levar o retrocesso para as nossas vidas.

Sem comentários: