quinta-feira, 4 de julho de 2013

Estabilidade


Em nome da estabilidade pretende-se manter uma coligação de governo puramente artificial. Com a demissão irrevogável do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, líder do parceiro de coligação, todos esperavam a demissão do Governo.
O volte-face acontece no dia de ontem, com a possibilidade do partido de Paulo Portas encontrar um novo entendimento com o PSD.

Quando se pensava que o Governo poderia, finalmente, cair, tudo parece indicar a manutenção do Executivo de Passos Coelho, mantendo a coligação. Quanto ao futuro de Portas, parece haver mais dúvidas.
A estabilidade terá sido uma das palavras mais utilizadas nos últimos dias. A queda da bolsa, a resposta dos sacrossantos mercados e a inquietação de Merkel que tem em Passos Coelho o melhor parceiro possível, contribuíram para que o medo latente se manifestasse. A comunicação social faz o resto.
De resto é graças a esse medo que se traduz na possibilidade de nos transformamos numa nova Grécia, na possibilidade de um novo resgate, na possibilidade de não haver dinheiro para salários e pensões, na possibilidade da chegada dos sete anjos do Apocalipse munidos dos sete selos, que o Governo se poderá manter.
Por muito que alguns apregoem a necessidade de se convocarem eleições antecipadas - outro medo evidente é o da própria democracia -, a verdade é que tudo se fará para garantir a manutenção do Governo, seja ele mais ou menos artificial.
O Presidente da República é um dos principais apologistas da manutenção do actual estado de coisas. Os partidos da oposição vêm a sua margem limitada pela permanência da coligação e o povo sucumbe ao medo.

Sem comentários: