quinta-feira, 28 de março de 2013

Demissão

A palavra aparece nos sonhos de muitos portugueses, invariavelmente acompanhada por Pedro Passos Coelho e pelo seu séquito. O próprio primeiro-ministro, numa clara tentativa de pressionar o Tribunal Constitucional, já fez saber que pode ter de se demitir.
De forma mais directa e frontal, Passos Coelho relembrou ontem que todos temos as nossas responsabilidades, incluindo o Tribunal Constitucional. Podemos criticar muita coisa em Passos Coelho, mas a sua clarividência é sem qualquer dúvida singular.
De qualquer modo, o cenário de demissão do Governo, embora funcione como instrumento de pressão e que, de momento, não me pareça que passe disso mesmo, é colocado em cima da mesa. Por conseguinte, importa analisar o que poderá se seguir a essa mesma demissão, tão almejada por tantos.
A marcação de novas eleições seria a solução mais consonante com o sistema democrático, mas também é a solução que o Presidente da República, CDS e PSD querem evitar. Os próximos dias serão interessantes com o chumbo mais do que provável por parte do Tribunal Constitucional e aí veremos se o tal cenário de demissão se pode concretizar ou não passava de mais uma forma de exercer pressão sobre o Tribunal Constitucional.

Sem comentários: