sexta-feira, 8 de junho de 2012

A difícil situação espanhola II

A Zona Euro faz lembrar aquelas alas dos hospitais onde são colocados os doentes que padecem de males contagiosos. Os médicos vão variando a sua atenção consoante o agravamento do estado de saúde dos pacientes e fora da ala fazem-se profecias sobre o derradeiro suspiro (incumprimento e saída do Euro) dos pacientes. Este paralelismo vem no seguimento de outros proferidos por eminentes figuras que recorrem a "doenças", "remédios" e "curas" para explicar a situação económica do país e da Europa, esquecendo-se, porém de dizer que a doença de que tanto falam tem um nome.
Seja como for, as atenções estão agora centradas em Espanha. Há mesmo quem diga que Espanha poderá sair do Euro ainda antes da Grécia. O que é certo é que a situação na Europa vai-se deteriorando de dia para dia. No caso espanhol fala-se da crise de um sector específico - o sector financeiro, mas não é certo que as contas do Estado espanhol esteja em muito melhor situação, isto segundo os parâmetros do neoclassicismo económico que vingou na Europa.
Como é que se vai "salvar" a quarta maior economia da Zona Euro? A resposta não é clara. O que é evidente é que o receituário neoliberal falha estrondosamente e que todos falam de doenças, remédios e curas, menos na doença que interessa falar: o capitalismo financeiro que grassa num mundo globalizado.

Sem comentários: