terça-feira, 15 de maio de 2012

Preocupações

Governo, Banco de Portugal, representantes das principais instituições da União Europeia, comentadores, etc, todos mostram preocupação com os elevados números do desemprego. Uns têm dificuldades em dormir à noite, outro vêem no desemprego uma nova oportunidade (sim, as palavras foram proferidas, não se trata de uma infeliz piada), outros ainda mostram apenas uma ténue preocupação com a proliferação de desempregados.
Todos têm em comum a apologia da austeridade como panaceia para todos os nossos males. Neste cenário de morte lenta tão do agrado destes senhores, o desemprego é uma das consequências mais óbvias.
Quanto às receitas para combater este flagelo são as da cartilha neoliberal: menos direitos para os trabalhadores, despedimentos mais fáceis a mais rápidos. O resultado está à vista. Falências, desemprego, pobreza. Tira-lhes o sono, inquieta, percepcionam novas oportunidades. Não há dúvida que estes senhores vivem completamente desfasados da realidade e para alguns também lhes fica bem mostrarem estas e outras preocupações, apesar de serem co-responsáveis pela situação verdadeiramente insustentável que muitos atravessam.

Sem comentários: