quinta-feira, 24 de março de 2011

Responsabilidade e soluções

O contexto político mudou em pouco mais de uma semana, culminando com a demissão do primeiro-ministro, aguardando-se agora que a Assembleia da República seja dissolvida. Todavia, não será tarde para se pensar na possibilidade e até mesmo na emergência de um consenso mais alargado entre vários partidos políticos.
É certo que essa possibilidade parece para já remota, ainda para mais quando o primeiro-ministro demissionário mantém-se na equação. Exige-se, por conseguinte, que os próprios partidos políticos reflictam sobre o que querem para o país. Pede-se mais responsabilidade por parte dos partidos políticos do espectro do poder.
A situação que o país vive hoje não se coaduna com guerras políticas e com a salvaguarda do interesse partidário. O país precisa de ultrapassar as graves dificuldades financeiras que atravessa, precisa de retomar o crescimento, precisa de confiança e de consensos. Não precisa de vitimizações. De resto, quem tem sérias responsabilidades no estado do país será invariavelmente visto como um óbice. Cabe também ao PS abrir os olhos para esta realidade.

Sem comentários: