Avançar para o conteúdo principal

Ainda o caso Freeport

O processo Freeport é mais um sinal perturbador do estado em que o país se encontra: as televisões mostram gravações de conversas que envolvem o nome do primeiro-ministro; os magistrados do Ministério Público falam em pressões intoleráveis; a Justiça tem dificuldades em dar uma resposta célere; o primeiro-ministro não esconde a sua exasperação e o país vai acompanhando mais uma espécie de novela que mostra a profunda degradação a que o país chegou.

Entretanto, todos clamam por uma justiça mais rápida e eficaz e existe uma multiplicidade de notícias relacionada com o Freeport. Veja-se a notícia que dá conta do assalto ao escritório da advogada do alegado autor da carta anónima - assalto fortuito ou nem por isso? Enquanto a Justiça não der uma resposta contundente, a suspeição e a incerteza vão continuar a manchar a imagem do chefe de Governo.

Este processo já provocou, pelo menos, uma baixa: a periclitante Justiça. Desta vez a Justiça não pode deixar que o processo se arraste por muito tempo, politicamente esse arrastamento pode ser insustentável para o primeiro-ministro e a falta de resposta da justiça gera instabilidade na própria governação. É por demais evidente que a constante referência ao nome do primeiro-ministro sempre que se fala das irregularidades que alegadamente ocorreram durante o processo de licenciamento, provoca um desgaste no primeiro-ministro.

Paralelamente, o que subsiste neste momento é a dúvida e a inevitável suspeição. Ora, esta situação e insustentável e põe em causa o bom funcionamento dasinstituições democráticas, lançando a suspeição não só sobre o primeiro-ministro, mas também sobre o maior partido da oposição. De resto, são várias as teorias que postulam congeminações nefastas e cabalas que visam derrotar o primeiro-ministro através destas suspeições. De facto quando a Justiça é ineficaz e morosa, abre-se espaço à suspeição, às conspirações, às acusações sem fundamento e à permanente dúvida.

Em suma, talvez o primeiro-ministro sobreviva politicamente ao processo Freeport, a Justiça, essa, vai também seguramente sobreviver. A deterioração, por muito evidente que seja, já há muitos anos que faz parte da paisagem. O país, esse, continua confortavelmente adormecido.

Mais sobre as pressões sobre Magistrados do Ministério Público:

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1371804&idCanal=62

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sobre os criminosos: Jair Bolsonaro

ADSE: uma guerra injusta

Esta guerra entre Estado e empresas no sector da saúde, com as últimas a rasgarem contratos com a ADSE é profundamente injusta para os beneficiários que, recorde-se, pagam inteiramente este subsistema de saúde. Mais: as razões invocadas por essas empresas, designadamente pelo Mello Saúde e Luz esbarram na lei e denotam uma ganância que não se justifica nem num contexto de capitalismo selvagem.
A ADSE reclama 38 milhões de euros com base num parecer da Procuradoria-Geral da República, os privados que se julgam acima da lei apoiam-se na chantagem e rasgam contratos, manifestando um desprezo abjecto pela saúde das pessoas - o lucro, o sacrossanto lucro, fala sempre mais alto. E quanto às tabelas de preços, a gula sempre foi apanágio destas empresas, por conseguinte não se encontra qualquer razão de espanto.
Ora, o que esta guerra nos mostra é que a chantagem também pode ser cartelizada e que o Estado tem que ter cuidado extremo nas relações que estabelece com estas empresas, …

O Diabo não vem aí, o Diabo já cá está

Sob a ameaça de recessão, alguns comentadores decidiram ressuscitar a imagem do Diabo tão apregoada pelo malogrado (politicamente) Pedro Passos Coelho. Segundo o antigo primeiro-ministro o Diabo estava a caminho e seria a ruína da tão odiada geringonça. Note-se que este profecia do Diabo era mais um desejo do que propriamente mera futurologia. Agora e perante uma Alemanha a roçar perigosamente a recessão, perante as restantes economias europeias com um crescimento económico perto do zero, face ao resto do mundo, com a China à cabeça, a crescer muito menos e com uma guerra económica entre EUA e China como pano de fundo, desenterra-se o Diabo. Na verdade, o Diabo não precisa que as marionetas do costume o desenterrem. Na verdade, ele já anda aí e há muito tempo, chama-se capitalismo. Ele não vem, ele já cá está, entre os crescimentos e as crises, entre os crescimentos cada vez mais irrisórios e à custa do próprio planeta, mas com ares de verdadeira recuperação por se seguirem a crises pr…