quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Aumento da violência no Iraque


O ataque à minoria étnica yazidi já provocou mais de 500 mortos (número ainda temporário) e é considerado o pior ataque terrorista dos últimos 4 anos. As autoridades americanas consideram que o ataque tem a marca da Al-Qaeda. Importa sublinhar que o recrudescimento da violência e a aparente ausência de soluções para esta região conturbada do Médio Oriente são factos incontornáveis.

A autoria dos atentados (ainda não confirmada) parece ter a marca da Al-Qaeda, que não obstante a forte presença militar americana no terreno, continua a levar a cabo atentados terroristas e a espalhar a mensagem do ódio. Os grupos terroristas encontraram num Iraque profundamente dividido e confuso o terreno ideal para desenvolverem as suas actividades terroristas. O objectivo desses grupos prende-se com a perpetuação da instabilidade na região. Com efeito, é no caos que estes grupos conseguem levar a cabo os seus intentos.

Urge uma solução para a violência no Iraque. A responsabilidade na procura dessa solução não deve ser apenas imputada aos EUA; toda a comunidade internacional tem de se empenhar na procura de soluções para coarctar a instabilidade na região. Infelizmente, perdura na política externa de alguns países, designadamente europeus, aquela mescla de auto-satisfação (afinal, foi a arrogância americana que causou toda esta situação) com o mais profundo alheamento. Não é isso que o Iraque necessita, o recrudescimento da violência que subjaz à existência de grupos terroristas abala não só a segurança do Iraque, mas provoca igualmente instabilidade na região do Médio Oriente e a nível global.

É um erro crasso pensar-se que o que se passa no Médio Oriente fica no Médio Oriente. A História tem demonstrado isso mesmo. Os grupos terroristas a operar nesta região saem fortalecidos da permanente instabilidade que se vive na região. O fortalecimento do terrorismo no Iraque terá consequências a nível global. Por conseguinte, é fundamental que toda a comunidade internacional procure soluções para um Iraque desfragmentado, caótico, sangrento, sem futuro.

Refira-se que antes de qualquer solução para o restabelecimento da unidade do país, o terrorismo tem de ser erradicado a par com a retórica radical e inflamada que acompanha grupos fundamentalistas. O Iraque é neste momento um país sem unidade nacional. Sublinhe-se ainda a dificuldade de restabelecer essa unidade quando as divisões sectárias entre xiitas e sunitas são cada vez mais acentuadas. Contudo, devem ser equacionados vários cenários que podem passar por situações mais drásticas como uma possível divisão do país.

Sem comentários: