segunda-feira, 30 de julho de 2007

O PSD e a Madeira


Apesar da haver quem aprecie o estilo brejeiro e populista do presidente do Governo regional da Madeira, existem limites para o seu comportamento de constante afronta ao país. O episódio de recusa em respeitar uma lei da República Portuguesa é simplesmente inaceitável. E a rigidez de princípios deve estender-se a toda o espectro político nacional, incluindo o PSD e o seu líder. Em relação a esta matéria não pode haver dois pesos e duas medidas, em caso algum.

Marques Mendes foi pela primeira vez à festa do PSD-Madeira, no Chão da Lagoa. Esta tradicional festa – apanágio do populismo mais primário – foi o palco para o início da campanha eleitoral de Marques Mendes para as próximas directas de Setembro. No seu desvario eleitoral, Marques Mendes teve uma intervenção, no mínimo, incipiente quando lhe foi colocada a questão sobre a IVG na Madeira. Foi mesmo possível observar laivos de populismo no discurso de Marques Mendes, o que poderá fazer algum sentido, tendo em conta que o seu opositor nas directas, é especialista nesta matéria.

É precisamente a ausência de determinação presente no discurso de alguns políticos que perpetua e fomenta o estilo característico do presidente do Governo Regional da Madeira. Por conseguinte, não causará espanto que as leis que são para todos os portugueses, venham a ser excepções na Madeira. O discurso inflamado, a falta de educação, a intransigência, os insultos só vêm disfarçar a mais completa ausência de argumentação que permita sustentar a tese de que a Madeira pode ser excepção.

E é com este pano de fundo que o actual líder do PSD se desloca à Madeira, em apoio ao líder madeirense, e não faz muito para inculcar algum tipo de sensatez nas mentes desvairadas da Madeira. Marques Mendes manifestou, ainda assim, estar pouco à vontade, tentando a todo o custo manter inexpugnável a farsa da Madeira. Seria profícuo que Marques Mendes abandonasse esses tiques populistas e apresentasse, ao invés, propostas ao país – como uma verdadeira alternativa ao Governo. De qualquer modo, o episódio da Madeira em que Marques Mendes é um dos protagonistas vem complicar ainda mais a eleição do futuro presidente do PSD; os militantes vão ter de escolher entre populista e populista e meio. Afinal, o presidente do Governo regional é, para Marques Mendes, “o nosso grande líder”.

1 comentário:

Caelio disse...

Hola amiga. Yo no soy turista, soy viajero y he aprendido mucho de Portugal. El sentimiento ha hecho que dedique una entrada en mi blog apelando a la libertad. Espero que os guste:

http://lacalle3.blogspot.com/2007/07/la-iii-repblica.html

Un saludo.